Quero ter um cão!

cao

 

Quero ter um cão. Quero tanto ter um cão…

 

Mas não sei se posso…

 

Adoro cães, toda a minha vida adorei. Nem sei bem explicar mas fazem-me sentir feliz. Haverá alguma explicação científica para isto? Imagino que sim, vou ter de ir investigar.

 

Continuando, toda a vida adorei cães e toda a vida pedi aos meus pais para termos um cão. E eles foram sempre dizendo que não até aos meus 20 anos (sim, só acederam a dar-me um cão quando eu já tinha 20 anos, que pais desnaturados). As justificações eram as do costume: vivemos num apartamento, não há espaço para ter um cão, um cão ia sentir-se aprisionado dentro de casa, e depois dá muito trabalho, e quem é que o leva à rua, vais ser tu por acaso? E vais apanhar o cocó e limpar o xixi enquanto ele ainda não estiver treinado? E eu dizia que sim mas acho que eles nunca acreditaram e nunca me fizeram a vontade. Até ao dia em que a minha mãe se apaixonou por um cachorrinho na florista do bairro e decidiu que íamos ficar com ele (sim, o meu pai praticamente não foi consultado). Lembro-me do dia em que a minha mãe chegou a casa e me disse que íamos ficar com o cão. Eu chorei de alegria, e ainda nem o conhecia. Fui conhecê-lo no dia a seguir e apaixonei-me logo, obviamente. E foi assim que aos 20 anos passei a ser a dona de um cão.

 

O facto de vivermos num apartamento deixou de ser problema, o cão não é propriamente um pinscher mas é pequeno, cerca de 10 kg e deu-se muito bem lá em casa. Todos nós somos completamente apaixonados por ele.

 

E depois eu saí de casa. A continuo a ser um bocadinho dona do nosso cão, mas já não o tenho no meu dia a dia, apenas de vez em quando. Na última vez que os meus pais foram de férias eu fiquei com o nosso cão cá em casa e que bom que foi.

 

E agora quero um cão. Sinto falta de um cão. Mas não sei se posso mesmo ter um cão.

 

Em primeiro lugar, tenho aquele discurso de tantos anos completamente entranhado na minha cabeça, de que um cão não se dá bem num apartamento. E eu vivo, mais uma vez, num apartamento. E aqui, infelizmente, nem sequer varanda tenho. Mas por outro lado, tenho a prova do nosso cão, que se dá tão bem em casa dos meus pais.

 

Depois, penso no tempo que o bicho iria passar sozinho. Nós saímos de casa antes das 8h e voltamos, na melhor das hipóteses, às 18h… 10 horas (no mínimo) sozinho num apartamento. Custa-me muito. Mas depois no outro dia comentei isto com uma colega de trabalho e a resposta dela até me fez sentido: se isso fosse um impedimento, só reformados e donas de casa é que teriam cães, certo? Pessoas que trabalham fora de casa nunca poderiam ter… E essa não é, de todo, a realidade.

 

Além disso, há as férias. O que fazer com o cão quando formos de férias? Mas essa resolve-se bem: o que não faltam agora são hotéis para cães. Seria apenas uma questão de contemplar essa despesa no orçamento das férias.

 

E para finalizar, há o R., que sempre viveu numa casa com terreno e montes de espaço para os cães e se recusa, ele próprio, a ter um cão num apartamento. Essa questão ainda não sei como vou resolver, tal como a questão do meu conflito interno.

 

Mas quero um cão. Tenho dito.

 

E vocês, o que pensam de ter um cão num apartamento (claro que não seria um Labrador nem um São Bernardo)?

 

 cao

Leave a Reply