5 coisas que percebi depois dos 30 e que estão a mudar a minha vida

coisas-que-percebi

(créditos da imagem: David Marcu)

 

1 – Condicionamentos

Percebi que todos somos sujeitos aos mais variados condicionamentos ao longo das nossas vidas, principalmente durante a infância e adolescência, quando somos mais influenciáveis. É inevitável e não faz mal nenhum, mas é importante estarmos conscientes disso para podermos mudar. Enquanto não tomarmos consciência que estes condicionamentos existem, vamos continuar sempre presos a eles. A partir do momento que reconhecemos isto podemos, em primeiro lugar, trabalhar para percebermos o que nos condicionou e, numa fase posterior, trabalhar para nos libertarmos destes condicionamentos. Será, com certeza, um processo lento, mas sinto que enquanto não o começarmos é quase como se não começássemos a viver. Só descondicionando conseguimos ficar abertos a outras realidades e possibilidades.

 

2 – Arrependimentos

Percebi que tenho 32 anos e a minha vida ainda não acabou. Há uma coisa que me arrependo muito de nunca ter feito. Não é algo a que tivesse fugido, mas simplesmente nunca se deu naturalmente e eu nunca dispendi o esforço necessário para a fazer acontecer. Se neste momento já sinto este arrependimento, pergunto-me como será quando tiver 70 ou 80 anos. É preferível viver com este arrependimento para o resto da vida ou perceber que ainda há tempo e fazê-lo então? Por isso mesmo, vou fazê-lo. E é tão simples que nem sequer existe alternativa.

 

3 – Oportunidades

Percebi que o mundo de hoje é diferente daquele que existia há 15 ou 20 anos, não apenas para os jovens que estão agora a iniciar a sua vida adulta, mas para mim também (e para qualquer pessoa). Existem profissões que não existiam, existem formas de comunicarmos uns com os outros que não existiam, existem facilidades de nos deslocarmos por todo o mundo que não existiam. Existe a possibilidade de criarmos a vida que queremos, se estivermos dispostos a trabalhar para isso. Escolhi o que queria estudar há 14 anos, decidi fazer um doutoramento há 9, e comecei a trabalhar há 4. Não é por estar há 14 anos a percorrer o caminho que me trouxe até aqui que tenho de continuar a percorrê-lo para o resto da vida. O mundo está cheio de oportunidades não só para quem tem 18 ou 20 anos mas para qualquer um. E se eu escolher aproveitar as novas oportunidades que o mundo oferece, agora aos 32 anos, ainda vou muito a tempo. Qualquer um de nós vai a tempo.

 

4 – Capacidades

Percebi que as capacidades que me fizeram chegar até aqui podem fazer-me chegar tão ou mais longe noutra área qualquer que eu escolha. Sou muito boa naquilo que faço, não porque tenha um dom qualquer para isto mas porque sou inteligente e esforço-me (e atenção, tanto a inteligência como a capacidade de trabalho podem ser construídas em qualquer pessoa – chama-se “growth mindset”). Estas minhas capacidades são aplicáveis noutra qualquer área, por isso sei que o que quer que eu escolha fazer daqui para a frente (e mais uma vez, não estou presa ao que fiz até agora), tenho as capacidades necessárias para ser muito boa.

 

5 – Sucessos

Percebi que há várias definições de sucesso e aquilo que representa sucesso para mim pode não o ser para outra pessoa qualquer. E não há mal nenhum. O importante é que eu continue a tentar alcançar a minha definição de sucesso. Seja ela qual for. Mais ainda, ao longo das nossas vidas, a nossa própria definição de sucesso também pode ir mudando. Trata-se apenas de ir ajustando o nosso caminho de forma a irmos nessa nova direção.

 

 

No fundo, cada um destes pontos está ligado aos outros todos e quase que cada um deles engloba os outros de uma forma implícita. E o que isto realmente quer dizer é que é possível mudar de vida – ligeira ou radicalmente – a qualquer momento, desde que, lá está, estejamos dispostos a trabalhar para isso. Porque sim, é preciso trabalho, muito até. Mas ninguém disse que ia ser fácil. Quanto a mim, o passo mais importante é perceber os pontos que estão aqui em cima e interiorizá-los bem. Depois disso, tudo o resto vem quase que automaticamente.

 

Estas realizações estão mesmo, todas em conjunto, a mudar a minha vida aos pouquinhos. Não só a maneira como vejo o mundo mas também aquilo que quero para mim. Espero que também aqueles que estão a ler isto consigam perceber que a vida pode ser mais do que “isto”, seja “isto” o que for e que também vocês podem mudar a vossa vida. Que podem fazer aquilo que quiserem. Como já tenho dito, o mundo apresenta-nos infinitas possibilidades e nós só temos de saber aproveitá-las. Nunca é tarde de mais para mudar nem para irmos atrás dos nossos sonhos. Não importa o medo de falhar nem o medo daquilo que os outros possam pensar. Afinal o que é pior: falhar e os outros (que nem interessam para nada) pensarem o que quiserem, ou chegarmos ao final da nossa vida e percebermos que afinal não fizemos nada daquilo que realmente queríamos? Que passámos a vida a tentar agradar aos outros e a deixar de lado ou para mais tarde os nossos maiores sonhos?

 

Já sabem que o meu objetivo é causar impacto nas vossas vidas, é ser uma força disruptora, e partilho aqui estas coisas que tenho vindo a perceber para que também vocês percebam que podem fazer tudo aquilo que quiserem. Não há limites.

 

Se vocês tiverem percebido isto tudo ainda antes dos 30, fico mesmo muito feliz por vocês, acredito que estão no bom caminho. Se, além disso, há mais coisas que queiram acrescentar a esta lista, por favor partilhem comigo nos comentários. Tenho todo o interesse em discutir estes temas.

4 Replies to “5 coisas que percebi depois dos 30 e que estão a mudar a minha vida”

  1. Fantástica reflexáo sobre a vida, sucesso, oportunidades! Tudo o que dizes faz todo o sentido e vou lembrar-me do que escreveste sempre que tiver duvidas sobre o futuro – a vida está apenas a começar 😀

    1. É isso mesmo, Rita! Até porque há muito poucas decisões que são para o resto da vida (ter filhos e pouco mais) por isso não vale a pena toda a pressão que colocamos sobre nós próprios 🙂

  2. Sabes bem o que acrescentaria e que acredita nos transforma, nos torna ainda maiores e que nos dá ainda mais vontade de fazer mais e melhor e também de voltar à terra e aproveitar todos os segundos, todos os momentos que à primeira vista poderiam passar desapercebidos. É o redescobrir do mundo que nos rodeia e dos sentimentos. 😉

    1. Claro que acredito, Glória! Um dia vou chegar lá 🙂

Leave a Reply