O meu ritual matinal do momento

(créditos da imagem: Annie Spratt)

 

 

aqui falei sobre a importância de ter um ritual matinal intencional. Hoje venho falar-vos do meu ritual matinal atual, na esperança de vos inspirar a implementarem um também, caso ainda não o façam.

 

Falo em ritual matinal “do momento” porque a verdade é que ele muda várias vezes. Nem sempre as mesmas coisas nos fazem sentido, conforme o sítio onde estamos nas nossas vidas, e por isso é importante irmos adaptando o nosso ritual conforme aquilo que faça mais sentido no momento.

 

O ritual que pratico neste momento tem uma duração de cerca de uma hora. Não quero com isto desmotivar ninguém, nem que pensem que se não têm uma hora de manhã então não podem ter um ritual intencional. Como expliquei no passado, podem começar com algo tão simples como 5 ou 10 minutos e depois ir aumentando gradualmente (se assim o quiserem). Para quem nunca teve uma prática deste género, pode mesmo ser contraproducente começarem com algo muito complexo porque vão desmotivar logo na primeira vez que não o consigam cumprir e o mais provável é ao fim de uma semana já não sentirem vontade de o fazer. Por isso, convém mesmo começarem com algo muito simples para trabalharem primeiro na implementação do hábito (já sabem, pelo menos 21 dias) e depois então irem trabalhando para construir algo mais completo e que faça sentido para vocês.

 

Isto é simplesmente aquilo que funciona para mim neste momento. Não quer dizer que vá continuar assim para sempre – aliás, não vai porque estamos em constante mudança e também o ritual matinal se deve adaptar à nossa realidade. Não me admirava nada se daqui a uma semana o meu ritual já fosse algo diferente. Não tenho problemas nenhuns em mudá-lo sempre que sentir que faz sentido, até encontrar aquilo que funciona para mim no momento.

 

Mas vamos a isto, o meu ritual matinal neste momento consiste nas seguintes atividades:

 

1 – Banho de água fria

Pronto, devem estar já a pensar que eu sou maluca. É, sou um bocado. Mas não é o facto de tomar banhos de água fria que comprova isso, hão de ser outras coisas.

 

Para quem não sabe, os banhos de água fria trazem vários benefícios, sendo alguns deles:

 

Ajuda a acordar e dá energia

Alguém consegue imaginar tomar um banho de água fria logo de manhã e mesmo assim continuar cheio do sono? Não, pois não? A verdade é que sendo esta a primeira coisa que faço depois de sair de uma cama quentinha, a coisa torna-se ainda mais difícil. O corpo está quente, a tendência para continuar em modo “devagar” é grande, e por isso a melhor estratégia para acordar, mas acordar mesmo, é esta. Não há a menor possibilidade de se continuar molengão depois de um banho destes.

 

Melhora a imunidade

Aparentemente contribui para o aumento do número de glóbulos brancos.

 

Melhora a circulação

Com o frio repentino, o coração vai começar a bombear mais sangue para aquecer os membros, por isso há um boost automático da circulação logo de manhã.

 

Ajuda na perda de gordura

Está também demonstrado que banhos de água fria ativam a gordura castanha. Ah pois é, não sabiam que temos gordura branca e castanha, pois não? É verdade, e esta gordura castanha é considerada a gordura “boa” pois tem uma função muito importante: regular a temperatura do corpo. É por isso que ao tomarmos banhos de água fria estamos a ativar este tipo de gordura, pois ela vai entrar em funcionamento para tentar aquecer o nosso corpo. E como é que ela faz isso? Ora nem mais, transformando calorias em calor (esta frase não está cientificamente muito correta mas percebem a ideia).

 

Trabalha a força de vontade

Convenhamos, é precisa muita força de vontade para se tomar um banho de água fria todos os dias logo de manhã. E continuar a fazê-lo mesmo não sendo a coisa mais agradável deste mundo ajuda-nos a trabalhar a força de vontade. Pensem assim: se conseguem sair de uma cama queintinha e meterem-se logo de baixo de água fria por uns minutos, então há poucas coisas para as quais possam não ter força de vontade.

 

Melhora a resiliência e a capacidade de relativizar

Sejamos honestos, muito práticos e objetivos: é apenas água fria. Mais nada. Não vamos morrer, não nos faz mal, não nos vai fazer ficar doentes, nem sequer magoa. É apenas ligeiramente desconfortável e são só uns minutos. O que é o pior que pode acontecer? Sentirmos um bocadinho de frio? Estarmos desconfortáveis durante 5 minutos? Darmos um berro e os vizinhos acharem que somos malucos? (não que isso já tenha acontecido…) E querem saber a melhor parte? Depois de algo que custa vem sempre a recompensa, porque vestir uma camisola quentinha logo a seguir ao banho de água fria é das sensações mais reconfortantes que há.

 

Para além disto tudo, ainda ajuda a recuperar músculos doridos, alivia o stress e a depressão e também é bom para a pele e para o cabelo.

 

E se depois de conhecerem estes benefícios todos vocês também não ficaram convencidos a tomar banhos de água fria todos os dias logo de manhã, então não sei, desisto.

 

Agora chegou a hora do confessionário: eu ainda começo este banho com a água muito ligeiramente morna, caso contrário demoro uns 2 ou 3 minutos só a ganhar coragem para saltar para baixo da água e ninguém tem tempo para isso. Depois é que vou, as pouquinhos, pondo a água cada vez mais fria. Não há problema nenhum, é apenas uma fase de adaptação e eu sou a primeira a dizer que para criar um novo hábito é sempre melhor começar devagar e ir progredindo. Mas a ideia é eventualmente não precisar destes segundos de adaptação e começar logo com a água fria. Comecei a implementar este hábito há cerca de duas semanas e quis desistir logo no primeiro dia, mas a verdade é que está a tornar-se cada vez mais fácil e não me parece que vá parar tão cedo. A minha esperança é que quando chegar o Inverno esteja já tão habituada que consiga continuar a fazê-lo.

 

2 – Água morna com limão

Aqui penso que não preciso de entrar em grandes explicações, de certeza que todos já leram um artigo (ou dez) sobre os benefícios da água morna com limão logo de manhã. Mal não fará e sabe-me bem, por isso faço-o todos os dias (ou quase, às vezes lá acontece deixar acabar os limões).

 

3 – Escrita livre

Ou free writing. Esta é também uma atividade que comecei há pouco tempo, uns três ou quatro meses. É algo que deve ser feito logo de manhã, quando a nossa mente ainda não teve tempo de pensar em muitas coisas e a ideia é escrever sem pensar, simplesmente deixar fluir. Escrever sem parar, tudo o que nos vem à cabeça. Não corrigir erros nem typos, não parar, e não pensar que vai sair dali algo de jeito. Estes textos não são para publicar em lado nenhum, são pura e simplesmente para nós e especialmente para nos ajudar a explorar a nossa mente. É muito semelhante ao conceito de Morning Pages da Julia Cameron, especialista em criatividade, mas segundo as instruções dela, deverão ser escritas três páginas, coisa que eu não faço, escrevo apenas por 5 minutos ou pouco mais. Ainda não consegui perceber se para mim é melhor escrever à mão ou no computador. Já tentei os dois e neste momento escrevo no computador com a cor da fonte formatada para branco para nem sequer olhar para aquilo que estou a escrever. Mas acho que vou voltar a tentar escrever à mão para ver se noto diferença.

 

4 – Gratidão e foco

Escrever, todos os dias, três coisas pelas quais me sinto agradecida. De preferência coisas simples. Ou seja, todos os dias me sinto agradecida pela minha família, pela minha casa, pelo meu emprego, por viver num país desenvolvido, etc. A ideia é ir buscar coisas menos óbvias e mais pequenas, mais simples. Está comprovado que o ato da gratidão nos ajuda a ser mais felizes e a ter uma atitude mais positiva. Para além disso, escrever também qual o principal foco para esse dia.

 

5 – Reflexão

Aqui incluo apenas a leitura de um ou dois textos motivadores ou que me façam pensar. Leio sempre o texto do livro Daily Stoic para esse dia, como já expliquei aqui, e por vezes leio um texto do às nove no meu livro.

 

6 – Meditação

5 minutos de meditação é onde estou atualmente. Não consigo ainda fazer mais tempo do que isso, mas é um work in progress. Há tantos artigos sobre meditação que me parece desnecessário estar para aqui a falar sobre os benefícios. É algo que tento fazer regularmente apesar de nem todos os dias me apetecer. Também já me aconteceu estar a trabalhar e sentir necessidade de parar uns segundos, um minuto que seja, apenas para respirar, o que também pode ser considerado uma espécie de meditação. Sei que muitas pessoas se sentem intimidadas pela ideia da meditação, mas não é mesmo nada de muito complicado. Tentem e não se preocupem se a vossa mente começar a divagar pelos mais variados sítios. Tentem apenas voltar ao nada, ou então, se a vossa mente acabar por divagar para um sítio mesmo interessante, explorem isso se vos apetecer. Já ouvi falar de pessoas que meditam com um bloco de notas ao lado para, se surgir alguma coisa importante ou interessante nas suas mentes, apontarem de imediato e não esquecerem, podendo regressar à meditação logo de seguida.

 

7 – Visualização

5 minutos de visualização. Hei de escrever um texto mais longo sobre o poder da visualização, se tiverem interesse.

 

8 – Leitura

Completo o resto da hora com tempo de leitura. Ultimamente ando mais voltada para livros de não-ficção, que nunca foram muito a minha praia, mas recentemente decidi ler ficção à noite e não-ficção de manhã, porque não estando na cama e quase a adormecer, dá-me mais jeito tirar notas e consigo estar mais concentrada. Há tantas coisas que quero aprender e tantos livros interessantes que quero ler, que vou mesmo começar a investir mais tempo em não-ficção.

 

 

Depois disto normalmente vou fazer o meu café (french press, duas chávenas, uma para beber na hora e outra para levar para o trabalho na termos), o que me leva uns 10 ou 15 minutos, e fico com cerca de uma hora e meia para trabalhar nos meus projetos de escrita. 15 minutos antes de ter de sair para o trabalho vou mudar de roupa, lavar os dentes, preparar a marmita e o saco do ginásio nos dias em que preciso dele. Para fazer tudo isto tenho acordado às 5:30.

 

Sempre gostei de acordar cedo, mas antes fazia-o apenas para ter tempo para mim e para as minhas coisas (aka, livros e séries). Hoje faço-o para começar o dia de uma forma intencional e para trabalhar em projetos que me deixam apaixonada e que sei que se deixar para fazer ao final do dia vou estar demasiado cansada para fazer um trabalho de qualidade.

 

E vocês, têm um ritual matinal intencional ou acordam em cima da hora e fazem tudo a correr?

Leave a Reply